A Rainha dos nossos Sorrisos





Há vozes que entram na nossa vida sem pedir licença, sem nem percebermos, e se tornam experiências únicas e (e)ternas. E hoje quero falar de uma dessas.

Ouvi Bruna Caram pela primeira vez em 2006 ou 2007. Era seu CD de estreia, Essa Menina (2005), e a música título, além de outras duas, tocava com frequência na Nova Brasil FM. Apaixonei-me quase de imediato pela voz doce e suave dessa paulista. Adquiri o CD e devorei-o durante muito tempo. Não consegui, infelizmente, ir ao show que ela fez em uma Virada Cultural, e naquela época eu não era ainda a frequentadora assídua da RedeSESC e outros locais do gênero que me tornaria, portanto, minha admiração ficou somente por ali. Lembro-me vagamente de Feriado Pessoal (2009), mas confesso não ter acompanhado tão bem seu lançamento e repercussão. Entretanto, em 2010 voltei a acompanhar de perto a carreira de Bruna, através principalmente de seu twitter. Assisti aos "Cantorices", "Qual canção" e esperei ansiosamente pelo novo CD que ela lançaria, assistindo o carinho com que era produzido.

Bruna é uma figura única, daquelas impossíveis de não amar instantaneamente. Tem personalidade, carisma, e um talento inquestionável. É uma artista popular, com repercussão, e no entanto é a mais simples das pessoas, que te abraça e conversa com você como qualquer um. Um exemplo de humildade e simpatia.

Bruna cresceu em meio a música: conta sempre como seu maior exemplo sua avó Margarida, cantora de rádio, mas não só isso. Tios, primos, toda sua família sempre esteve mergulhada nesse universo. Se isso foi fundamental pra que Bruna cantasse? Sim e não. Claro que crescer nesse ambiente influenciou a sensibilidade da "canarinha", mas ela diz que sua família foi fundamental em outro aspecto: na construção do seu caráter. A alma da artista sempre esteve dentro dela e, durante muito tempo, houve a dúvida: poderia ser isso também uma profissão, séria? Para nossa sorte, ela decidiu que sim.

Desde 2005, lançamento de seu primeiro CD, Bruna cresceu notavelmente. Como cantora, compositora, mulher... As mudanças são claras pra quem acompanha essa trajetória, e aparecem com força total em Será bem vindo qualquer sorriso (2012), onde Bruna realmente se impõe, se coloca, se encontra. Falar de Bruna Caram, em sua fase atual, pode ser simplesmente falar desse seu novo CD. Ela assume o papel de "cantautora", assinando duas das faixas: "Pode se animar" (em parceria com Pedro Luís) e "Purinho", um frevo delicioso, uma das paixões de Bruna. Tente não se deixar embalar por esse ritmo contagiante! Nas outras 9 faixas de Será Bem Vindo Bruna canta diversos nomes, todos com canções que falam diretamente sobre essa nova fase de sua vida.

A abertura do CD, "Bem-Vindo" (Paulo Novaes), é a porta de entrada ideal. Poucos sorrisos são tão marcantes quanto o de Bruna e poucas personalidades artísticas parecem exalar tanta felicidade e simpatia quanto ela. É quase impossível não acreditar no convite em sua voz "será bem-vindo/ qualquer sorriso, qualquer expressão de amor". O compositor Paulo Novaes (primo de Bruna, por sinal) se repete na voz da cantora na terceira faixa, "Esfera", uma composição delicada, reflexiva e emocionante. A emoção também se deixa anunciar em canções como "Amanhecendo" (Caê Rolfsen/ Leo Bianchini/ Pedro Viáfora) e "Peito Aberto" (Dani Black). Das novas gerações, surge também a gravação de "Especialmente Criativa", de Mallu Magalhães. Músicas de grandes nomes como Jorge Ben Jor, Djavan, Zé Rodrix e Herivelto Martins fecham esse trabalho, retrato perfeito de uma cantora plural, amada, feliz.

Segundo a própria Bruna, "Bem-Vindo" é a canção que melhor expressa esse CD -e, por conseguinte, essa fase de sua vida. Além de toda o amadurecimento musical, o disco tem um outro aspecto diferente: ele foi produzido de forma independente, sem vínculo com nenhuma gravadora. O resultado é uma construção ainda mais pessoal e realizadora, onde Bruna pôde escolher desde sua equipe de gravação, até a banda que a acompanha, sua equipe de trabalho, de shows, etc. Show esse dirigido pelo já conhecido e excelente Vinicius Calderoni, ou seja, sinônimo de trabalho bem-feito!

Além de tudo, Bruna é uma artista que está sempre próxima a seu público. Usa com maestria as redes sociais para interagir e atingir quem mais lhe interessa, quem lhe motiva a continuar a cantar: aqueles que estão lá, ansiosos por ouvi-la. E diz:


"Continuo cantando porque sinto que existe gente pra me ouvir. Porque sinto que posso fazer alguma diferença. Nenhum fator exterior pode abalar essa alegria, essa emoção de cantar. Quando subo ao palco, sinto que não há nada mais para se fazer, que não tenho opção, como se tivesse nascido ali. É como se não houvesse outro jeito."

Pois é, Bruna. Estaremos sempre lá pra ouvi-la, junto a seus sorrisos e sua expressão de amor! E fiquem agora com "Bem-vindo".




por Isa Leite

Comentários