Juventudade e Rock'n'Roll: Tim Bernardes




© Breno Galtier Photography | All Rights Reserved

Aos 22 anos, Tim Bernardes já tem muita história pra contar. Junto aos amigos com quem forma a banda “O Terno”, concorreu e ganhou, em 2012, os prêmios de “Clipe do Ano”, no Prêmio Multishow e “Aposta MTV”, no VMB. Além disso, no começo desse ano, foi um dos convidados pelo jornalista Marcus Preto e pelo grande Tom Zé a participar das composições de “Tribunal do Feicibuqui”. Mas a razão de tanto reconhecimento não é outra senão o talento comprovado.

Filho do saxofonista, cantor e compositor Mauricio Pereira, Tim poderia ser só mais um menino que queria ser como o pai, mas a história não é bem essa. Ele comenta que nunca sofreu pressão ou direcionamento familiar pra gostar mais desse estilo ou daquele som. Com liberdade pra fazer suas próprias escolhas, ele achou um caminho que acabou indo de encontro ao trabalho paterno. Em 66 (2012), mais do que uma influência na banda do filho, Mauricio Pereira é peça fundamental para o desenvolvimento do trabalho.

Com os prêmios, citados acima, a vida d’O Terno ficou um pouco mais “fácil”: a chance de rodar o país com a turnê do 66 está sendo bem aproveitada, mesmo nessa espécie de reta final, onde as composições antigas se misturam a novas, transformando o show numa transição para o novo CD, que deve sair no ano que vem.

Além disso, Tim se prepara pra outros saltos: com o pai, fez shows na dupla “Pereirinha e Pereirão”, começou a produzir outros artistas e planeja um EP com canções autorais que não entraram no repertório d’O Terno – voo solo que promete muito, devido à qualidade já evidente de seu trabalho.

Uma mente criativa, inquieta, ávida por novidades e por expor seu melhor na música, Tim Bernardes já garante seu lugar de destaque numa geração repleta de talentos que a cada dia se revelam. O espírito do rock sobrevive com maestria e sensibilidade. E com força, como todo bom rock deve ser.




por Isa Leite

Comentários