Vai, menina! - Ana Larousse






Ana Larousse encanta. Talvez seja pouco e genérico dizer isso, mas é facilmente compreensível por qualquer um que tenha tido contato com as belas composições e a voz delicada dessa manauara, moradora de Curitiba - e parisiense de coração. Ana leva ao encanto quase imediato, e traz à tona a sensação de profundidade, de amplidão, de um mundo imenso a acolher.

Fã de Beatles desde a adolescência, ela já cantou e tocou guitarra em bandas de rock; a delicadeza que hoje permeia as suas canções surgiu somente aos 19 anos. Antes disso, entretanto, o violão que ela toca desde os 10 anos já era o grande companheiro, e a poesia o caminho imediato para transbordar as emoções tão presentes nessa alma gigante. As letras de Ana, até hoje, revelam uma sensação de melancolia que, ainda assim, acalanta o coração. Mas mesmo com tanto talento, o auto-reconhecimento como cantora e compositora veio apenas recentemente.

O que explica o fato de Tudo começou aqui (2013) ser tão novo, ainda que contenha composições mais antigas, a maioria delas feitas durante o período em que Ana morou em Paris. Não importa, claro. Valeu a pena esperar ansiosamente para ouvir pérolas preciosas como "A menina que apagou" ou "Valentine et la chanson d'hiver". 

Cercada de parceiros, como os membro d'A Banda Mais Bonita da Cidade, Phill Veras, Alexandre França e, principalmente, o amigo com quem costuma dividir os palcos, Leo Fressato, membros da profusa cena musical curitibana, Ana se vê influenciada pelo mais cotidiano, pelos amigos, pelos amores vividos... É uma grande artista, capaz de absorver e apreender o mundo a seu redor, e devolvê-lo através das suas belas palavras, emolduradas pelas melodias elaboradas e simples, ao mesmo tempo, das canções.

Encontrar-se com Ana Larousse é deixar-se levar, envolver, pelo seu coração. Enquanto vê o próprio ser modificado e aquecido pelo talento que emana dela.


Comentários